Julie Roberts

The Good Wife

3 – 27 jul 2007


Galeria Fortes Vilaça

A Galeria Fortes Vilaça tem o prazer de apresentar a exposição The Good Wife [A Boa Esposa] de Julie Roberts, uma das mais prestigiadas pintoras britânicas da atualidade. Nas aquarelas e óleos, Roberts retorna à história do século XX para discutir a questão da servidão doméstica a que as mulheres eram submetidas quando se tornavam esposas.

Sob certo olhar antropológico, a artista aborda um tema que ainda persiste, apesar de quase cem anos de luta feminista. Quais funções ainda são atribuídas à mulher no ideário masculino? O que atualmente continua sendo esperado de uma 'boa esposa'? A repressão à mulher ao longo da história, seja na educação formal, seja na vida cotidiana, é tema recorrente na obra de Roberts. Desta vez, a artista pinta figuras femininas em cenas do universo doméstico utilizando como referência fotografias retiradas de um típico manual para esposas editado na década de 1930. Ao invés da concretização do sonho de felicidade matrimonial, Roberts demonstra que as mulheres se deparavam com trabalhos pesados, monótonos e rotineiros, restritos à manutenção do lar e ao cuidado para com os filhos.

A atenção da artista aos detalhes é obsessiva e seu fascínio pela representação do corpo em diferentes situações é foucaultiano, pois demonstra como os mecanismos sociais determinam as características de um corpo. Linhas e cores fortes perpassam todos os trabalhos, desde a série de quatro aquarelas intitulada The Good Wife, que dá nome à exposição, até as pinturas. Nas aquarelas, que possuem grandes formatos e se destacam na exposição, vemos uma característica nova em sua poética: vários objetos flutuando sobre fundos monocromáticos, que se assemelham a um "sonho surrealista", especialmente na obra Veil [Velar]. Nas novas pinturas, Roberts abandona o fundo monocromático e composições centrais adotando telas cheias, nas quais os detalhes arquitetônicos dos ambientes domésticos, como cortina, lareira ou uma cadeira de madeira estão ricamente representados.

Em todas as personagens, a artista cria arabescos e marcas circulares estilizando as formas de seus rostos. O articulado discurso de Roberts se faz presente no conjunto das obras, criando uma narrativa que instiga o espectador.
Julie Roberts é integrante de uma geração de artistas que se destacou na Glasgow School of Arts no início dos anos 1990. Já participou de exposições na Tate Britain, Musée d´Art Moderne de la Ville de Paris, no Museu Ludwig, em Budapeste, na Scottish National Gallery em Edimburgo e Bienal de Veneza de 1993. No início de 2007, as aquarelas da série The Good Wife foram expostas na Gallery of Modern Art, Glasgow.

Imagens