Imagem & Ação

6 – 29 Out 2005


Galeria Fortes Vilaça

Damián Ortega | Janaina Tschäpe | John Bock | José Antonio Hernández-Diez | Sara Ramo | Tiago Carneiro da Cunha

A Galeria Fortes Vilaça tem o prazer de apresentar a exposição "Imagem & Ação", que reúne trabalhos em vídeo de seis artistas do time da Galeria: Damián Ortega, Janaina Tschäpe, John Bock, José Antonio Hernández-Diez, Sara Ramo e Tiago Carneiro da Cunha. A relação óbvia entre o título e a imagem em movimento revela sutilezas quando os trabalhos são vistos lado a lado.

Ação é a palavra-chave. Ação transmuta-se em atuação quando os artistas são sujeito de seus próprios vídeos. É o caso de Driving in Caracas (Conduzindo em Caracas, 2003) de José Antonio Hernández-Diez, uma escultura com vídeo exibido na 49ª Bienal de Veneza, em 2003, que registra em clima de filme B um passeio noturno do artista na capital venezuelana. José Antonio estava alcoolizado, drogado, sem documentos e dirigindo um carro fora de ordem pela cidade, sem jamais ser parado pela polícia. Num registro mais próximo ao teatro, característico de sua obra, o alemão John Bock conduz um trator numa paisagem rural em Trecker, 2003. No recente Entre a chuva e o boneco de Neve, 2005, Sara Ramo cria uma alegoria de tempo-espaço com uma animação em que bolas de papel transformam-se em pedra e vice versa. A ação acontece num campo demarcado num formato similar a uma quadra de esportes. Sara entra em cena tentando reverter o processo criado por ela mesma, uma imagem que reflete sobre a posição do artista no processo de criação.

Já em Planeta Salvaje, 2001, Damián Ortega imprime o movimento de meteoros sobre pedras ordinárias e estáticas que ganham vida através de uma edição em ritmo frenético que justapõe cores e formatos num vídeo silencioso e abstrato de grande impacto visual.

Ação é o movimento de um corpo/escultura nos Exercícios, 2002, de Janaina Tschape. Uma seqüência de 8 loops de um minuto em que mulheres diferentes realizam um movimento repetidamente. Já no vídeo Low attention span|high curiosity rate [Portrait of Peter Elliot], 2000, de Tiago Carneiro da Cunha, o movimento do corpo aproxima o homem do primata. Tiago registra por 40 minutos a performance de um ator que é imitador profissional de gorilas. Vestido em roupas civis, atuando num cenário "neutro" de fundo branco e três pedestais coloridos, nosso homem gorila impressiona pela perfeição da performance. Ação aqui é reflexão sobre a natureza ambivalente da relação consciente-inconsciente.

Imagens