Luiz Zerbini

Ele vê o que ele sabe

19 Set – 23 Out 2010


Galpão Fortes Vilaça

A Galeria Fortes Vilaça tem o prazer de apresentar novos trabalhos de Luiz Zerbini, numa exposição que integra pinturas figurativas e abstratas, colagens e vídeo. Nesta produção recente, Zerbini radicaliza o discurso sobre a paisagem, exercitando a saturação no campo da pintura e explorando seus desdobramentos em novas mídias. A abstração geométrica aparece como elemento estrutural das pinturas figurativas, em pinturas puramente abstratas e também como assunto de uma série de obras feitas com molduras de slides e gelatina colorida.

Uma miríade de elementos da natureza se entrelaçam sobre um horizonte distante na tela “High Definition”, onde linhas coloridas horizontais se sobrepõem à imagem, como se fossem defeitos gerados na tela de um computador. Em “Lago quadrado”, uma árvore é vista em primeiro plano, sobre um fundo irisdecente e multicolorido. “Mar do Japão” é outra pintura de grande formato onde o artista estabelece camadas: espécies de uma flora exuberante contra uma grade geométrica horizontal contra uma paisagem marítima. Estruturadas na sobreposição de imagens e saturação de cores, estas obras criam uma espécie de campo gravitacional para todas as outras na exposição.

O vídeo “Sertão” propõe um momento de desaceleração e contemplação, onde falhas eletrônicas – quadrados de cores sim ilares aos de High Definition – reaparecem sobre a superfície de um lago que reflete as nuvens do céu.
Zerbini apresenta também colagens abstratas, subtraindo as imagens de slides antigos para criar uma nova composição geométrica carregada de memória. O artista cola as molduras lado a lado e por vezes as preenche com gelatinas coloridas, utilizando-se das vibrações das cores e a luminosidade do material.

Luiz Zerbini participa da 29 Bienal de São Paulo, com a instalação “Inferninho”. Em 2010, o artista também lançou o livro Luiz Zerbini, da coleção ARTE BRA, pela editora Aeroplano.

Imagens