Paulo Nenflidio

Protótipos

4 Out – 8 Dez 2006


Galeria Fortes Vilaça

A Galeria Fortes Vilaça tem o prazer de apresentar Protótipos de Paulo Nenflídio, primeira exposição individual do artista em uma galeria paulistana. Estão incluídos na mostra três objetos sonoros inéditos e uma série de desenhos feitos sobre lona.

Nenflídio explora de forma inovadora o elo entre artes visuais, música e tecnologia. Suas engenhocas – como gosta de chamá-las – podem emitir diferentes tipos de sons de forma autônoma ou a partir de estímulos do vento, das mudanças de luz ou da participação do espectador. O artista trabalha conceitualmente com dicotomias que surgem da mistura do trabalho manual com tecnologia, unindo o local ao global, o objeto único ao industrializado, a cultura popular à cultura de massa. Realejo Heavy Metal adiciona humor a estas questões na forma de um realejo que toca heavy metal. Rico em soluções escultóricas, Estudo para Gerador de Música emite sons de forma autônoma de acordo com diferentes combinações pré-ajustáveis.

Dentre os objetos sonoros, Protótipos é talvez aquele com mais referências à história da arte e da música. O trabalho é composto por duas luvas que possuem sensores de luz e captadores de ondas eletromagnéticas e uma base de madeira, na qual estão emissores de sons. Quando as luvas são vestidas, o objeto emite o som do instrumento Theremin, inventado no início do século XX.

Nos desenhos, o artista recorre a um repertório visual técnico-eletrônico de peças, cabos e parafusos, explorando o contraste entre manual e industrial ao usar a lona rústica como base para estas imagens.

Além da exposição na Galeria Fortes Vilaça, Paulo Nenflídio participa também da mostra Geração da Virada no Instituto Tomie Ohtake. O artista foi um dos ganhadores da quinta edição do Prêmio Sérgio Motta de Arte e Tecnologia em 2005.

Imagens