Mauro Piva

7 Jul – 6 Ago 2005


Galeria Fortes Vilaça

A Galeria Fortes Vilaça tem o prazer de apresentar novas obras de Mauro Piva. Para sua segunda exposição individual na galeria, o artista paulistano produziu uma série inédita de telas pintadas a óleo. Nestas obras, Piva reafirma a relação entre corpo e espaço como tema central em sua iconografia.

As pinturas são povoadas por figuras que anteriormente apareciam em seus desenhos. São personagens anônimos, sem nenhuma característica de individuação, que se diferenciam sutilmente por traços anatômicos masculinos e femininos – ombros mais largos e linhas retas para o homem, seios e curvas sutis para a mulher. Com este recorrente "vocabulário", o artista dá continuidade a sua investigação sobre os hábitos contemporâneos e persiste no desenvolvimento de uma genealogia do desejo.

No entanto, a medida que nos desenhos discorriam narrativas sobre a condição humana em amplos cenários realistas, as composições agora aparecem mais "focadas", mais reduzidas, revelando apenas fragmentos de corpos. Essas figuras em detalhe aparecem sobre fundos brancos ou negros, como um fundo infinito de um estúdio fotográfico. Remetendo a linguagem dos closes cinematográficos, as pinturas exercem um fascínio imediato. O campo pictórico torna-se mais concreto, mais duro e agressivo.

"Mais eróticas que líricas, mais ácidas que humoradas, mais tensas que calmas, as pinturas de Mauro Piva são desdobramentos coerentes de uma produção que tem mostrado o quão extenso e acidentado é o território que o desejo ocupa na vida ordinária", assim descreve Moacir do Anjos, curador-diretor do MAMAM/Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, no Recife, em texto crítico sobre a obra do artista publicado no primeiro livro sobre o trabalho de Piva, que terá lançamento concomitante com a exposição.

Mauro Piva apresentou no ano passado uma mostra individual em Belo Horizonte, e participou da coletiva Instinctive, uma curadoria de Mario Testino para a Andrea Rosen Gallery em New York.

Imagens