God is design

29 Mar – 31 Mai 2008


Galpão Fortes Vilaça

Adel Abdessemed | Agnieszka Kurant | Aleksandra Mir | Guyton & Walker | John McCracken | Kris Martin | Michael Sailstorfer | Nuno Ramos | Renata Lucas | Rivane Neuenschwander | Rudolf Stingel | Trisha Donnelly | Urs Fischer

É com grande prazer que apresentamos God is Design, exposição inaugural do nosso espaço Galpão Fortes Vilaça. Com curadoria de Neville Wakefield, do PS1 MoMA de Nova York, a mostra traz grandes nomes do circuito internacional – Adel Abdessemed, Trisha Donnelly, Urs Fischer , a dupla Guyton/Walker, Agnieszka Kurant, Renata Lucas, Kris Martin, John McCracken, Aleksandra Mir, Rivane Neuenschwander, Nuno Ramos, Michael Sailstorfer e Rudolf Stingel.

O curador parte da configuração arquitetônica do espaço – um espaço expositivo contido dentro de um galpão de armazenagem – para fazer uma analogia à Kaaba de Meca. Um espaço definido pelo seu interior. As obras articulam questões relacionadas ao pensamento religioso, à exterioridade e interioridade, natureza e artifício, expressividade e contenção.
God is Design, vídeo de Adel Abdessemed que dá título à mostra, é uma seqüência animada de padronagens e símbolos de diversas religiões que se sobrepõem. Em Les Douleurs de ma Mere (As Dores de minha Mãe), sua outra animação, Adel mostra a figura de uma mulher vestida coberta por uma burca que se ajoelha para rezar repetidas vezes. A cada movimento os traços do desenho mudam de cor. Em Declaration for space, 2007, Aleksandra Mir mostra trinta e três colagens que misturam iconografia religiosa com imagens da Nasa.

John McCracken, artista da primeira geração do Minimalismo americano e um dos grandes destaques da última Documenta de Kassel, é representado com a obra Persus, 1986, um monocromo amarelo pintado à mão sobre madeira. Outros trabalhos relacionam-se com o legado minimalista suprimindo a imagem e o ornamento em privilégio das formas fechadas e das linhas retas. É o caso de Black and Blue, 2000-2008, de Nuno Ramos, um grande bloco de areia negra socada cortado por uma gota de vidro com óleo, e também de Urs Fischer, que utiliza materiais antagônicos ao preencher um cubo de espelho com uma mistura fedorenta de suco de laranja, café e cigarros. Researsher Reactor, 2008, de Michael Sailstorfer é um paralelepípedo de concreto, com microfones e amplificadores incrustados, que capta as vibrações do prédio produzindo um som como o de um reator. Symphonie n.0, 2008, de Kris Martin, é uma caixa preta fechada por um cadeado. Em seu interior, a caixa guarda uma sirene que nunca soa, apesar de existir em condições perfeitas para o funcionamento.

Explorando a relação com a arquitetura, Renata Lucas cria uma janela que corta a fachada do Galpão em dois pontos. Já Rivane Neuenscwander e a dupla Guyton/Walker,utilizam materiais de uso doméstico em duas esculturas que também tratam da questão da interioridade e exterioridade. Continentais, 2008, de Neuenschwander é uma grande bacia que contém outras bacias boiando sobre um líquido branco. Coconut Chandelier, é uma luminária feita de cocos secos e lâmpadas comuns.

Future Anterior, 2008, da jovem polonesa Agnieszka Kurant, traz impressões de oito páginas do New York Times no ano de 2020, segundo as previsões de uma vidente. A tinta utilizada é sensível ao calor, de forma que a página só aparece quando a temperatura está abaixo de 26 graus. Desta forma o trabalho de Kurant será visto como um monocromo branco, assim como o de Stingel, um carpete branco que forra uma parede inteira da exposição, num convite ao toque, de forma que o vistante deixe ali as suas marcas.

Imagens