Tiago Carneiro da Cunha

30 Jul – 29 Ago 2009


Galeria Fortes Vilaça

A Galeria Fortes Vilaça tem o prazer de apresentar a nova exposição de Tiago Carneiro da Cunha. O artista apresenta uma série de esculturas inéditas feitas em faiança policromada, técnica com a qual vem trabalhando desde 2007.

Nesta nova série o artista explora uma linguagem gestual que, apesar de continuar pesquisas formais e conceituais já características de seu trabalho, é quase uma perversão satírica da geometria polida da sua série anterior em resina. Aqui os seus desorientados personagens – poetas, pedintes, bandidos, filósofos, tiranos e outros estereótipos sarcasticamente sorridentes – emergem de (ou submergem em) um pântano multicolorido composto, assim como eles próprios, pelo movimento dos dedos do artista sobre a massa, em gestos ao mesmo tempo cuidadosos e expressivos.

As peças foram modeladas em faiança (uma cerâmica fina de baixa temperatura) e pintadas em “baixo vidrado”. Ambas são técnicas tradicionais que, além de permitirem poucos erros, também obrigam o artista a lidar com incertezas e surpresas no processo. As cores, por exemplo, são completamente diferentes ao serem pintadas do que após a queima final, e, uma vez jogada a tinta, não há como apagá-la. Esta imprevisibilidade é aproveitada pelo artista, que não define totalmente os campos de cores, mas os incorpora de maneira fluida ao movimento da matéria, numa mistura de controle e acaso.

As esculturas, de tamanhos variados, estão dispostas em uma grande bancada no centro do espaço expositivo, numa atmosfera que referencia tanto ao museu como a uma loja de cerâmicas, adicionando outra camada de humor critico à exposição. Temas como violência, poder, sexo e identidade nacional perpassam várias peças e  formam uma espécie de “sátira da sátira social”, referenciando e explorando os limites – com “toques metalingüísticos” – de uma tradição que inclui satiristas e ceramistas como o português Bordallo Pinheiro (1846 – 1905) e o francês Honoré Daumier (1808 – 1879).  Como observa Gilberto Mariotti, que assina um ensaio feito especialmente para a exposição, Carneiro da Cunha “vê a própria crítica social como uma dentre outras matérias que convivem nas peças. Este só pode olhar para o mundo desde dentro, com a cumplicidade que um certo cinismo, do tipo sincero e até meio ingênuo, pode oferecer.”

No começo de 2009, Tiago Carneiro da Cunha expôs, junto com Erika Verzutti, na Galeria Misako and Rosen, Tóquio; em 2008, teve uma mostra individual na Galeria VPF em Lisboa.  Participa regularmente de exposições coletivas em museus e instituições nacionais e internacionais. De setembro a novembro deste ano, será artista residente e professor convidado na University of the Arts da Filadélfia, EUA.

 

Imagens